quinta-feira, 24 de março de 2011

Softwares BIM

Muitas pessoas ainda se confundem quando ouvem falar sobre BIM e perguntam que programa é esse de que tantos elas escutam mas que nunca viram. BIM não é um programa, tampouco uma tecnologia, mas sim um conceito em que diversos softwares estão embasados. É apenas isso, um conceito, uma forma de entender, gerenciar e produzir projetos. Um paradigma. Um paradigma, que é base de uma variada gama de softwares, para diversas áreas, e citaremos aqui os mais significativos para que tenham uma noção das suas opções para começar a trabalhar num software BIM.

A Autodesk é indiscutivelmente a líder de mercado em softwares para construção civil e possui uma boa variedade para o mundo BIM, atendendo a diversas áreas. O Revit é uma suíte de aplicativos que atende a várias disciplinas. O Revit Architecture para arquitetura, Revit Structure para os engenheiros estruturais e  Revit MEP para os engenheiros mecânico, elétrico e hidráulico (daí a sigla MEP do inglês Mechanical, Electrical, Plumbing). Além disso, possuem outros softwares de gestão e análise das informações obtidas dos outros programas (que aliás, podem trabalhar totalmente integrados) como o Navisworks. De modo geral, no Brasil o Revit tem sido o aplicativo mais difundido, principalmente pela força da Autodesk que praticamente monopoliza o mercado com o AutoCAD.

Dividindo as atenções com o Revit vem o ArchiCAD, da Graphisoft. É um software muito completo, que também possui suas soluções para engenheiros com plugins como o MEP Modeler. Enquanto o Revit é bastante utilizado nos EUA, o ArchiCAD tem muita força na Europa e também possui muitos adeptos no Brasil. Uma das grandes vantagens do ArchiCAD é que possui compatibilidade com os sistemas operacionais Windows e Mac OS.

Em terceiro lugar o software mais popular é o Vectorworks. Este software é muito usado pois adota uma postura muito mais flexível que os anteriores podendo ser utilizado como ferramenta de desenho CAD. Existem muitos escritórios que utilizam o Vectorworks apenas desta forma e terminam não aproveitando o seu potencial de modelagem e gerenciamento parametrizado. Ele também possui suporte para Windows e Mac e possui um custo bastante inferior às opções anteriores.

O blog "Arq e Tec" fez uma ótima comparação entre esses três softwares, listando em uma tabela suas principais características aqui.

Existem ainda muitos outros softwares BIM de menor popularidade como o Bentley Architecture, 3D CAD Architecture etc., que podem ser opções de baixo custo.

Como vocês podem ver, existem softwares com solução BIM que vão muito além do projeto arquitetônico,  abrangem todas as disciplinas de um projeto, continua através de toda a obra e, no extremo do planejamento BIM, serve até para o gerenciamento da edificação no seu uso e manutenção.

Na minha experiência, quando decidi dar o pulo para o mundo BIM, eu pesquisei bastante sobre o tema e sobre qual software deveria adotar. No final, reduzi minha lista para as duas opções mais populares, o Revit e o ArchiCAD. Baixei versões de testes dos dois programas e testei bastante, estudei um pouco de cada e treinei. No final das contas eu tomei a decisão de adotar o Revit, pois pesou a compatibilidade com o AutoCAD e o 3DS MAX (que utilizo para fazer as minhas renderizações) e porque havia encontrado mais documentação e conteúdo para esta plataforma. Eventualmente baixo as atualizações do ArchiCAD para ver as novidades e, depois de alguns anos trabalhando com o Revit posso garantir que nessa briga não há vencedor. Todos os dois softwares possuem grandes qualidades - e enormes limitações - e sempre será preciso encontrar forma de dribá-las. Antes de escolher o seu caminho, dedique uma parte do seu tempo para avaliar as opções, consulte o que o mercado tem usado, pois essa será uma decisão que afetará enormemente a sua vida, isso eu te garanto.


E você, que software usa? Aproveite e vote ali ao lado.

3 comentários:

  1. Ola Pessoal,

    Sou um arquiteto paraibano, e moro aqui em João Pessoa onde trabalho a 6 anos com um software BIM chamado Allplan, da Nemetschek alemã, junto a ele uso o Cinema 4D para os processos de renderização e considero uma excelente ferramenta. Entendo a popularidade da autodesk, mas costumo dizer a todos os meus alunos desse software que "o importante é fazer gol, e isso não depende da marca da chuteira que você usa". No começo (a 6 anos atrás), aqui na Paraíba, ninguém nunca imaginaria trocar um autocad, por outro software que fizesse isso ou aquilo, e eu tinha muito pouco informação sobre o allplan, mas não me deixei abater porque o que eu queria não era o software, era uma nova metodologia para o processo de produção do projeto. É ISSO QUE PRECISA SER MUDADO, por que é aí onde ocorre toda a mudança. Se formos a fundo nessa questão, a mudança tem que começar na academia, na forma de conceber o projeto, de representar os elementos construtivos, ou melhor de interagir com todos eles ao mesmo tempo. O BIM é isso, coloca tudo num canto só, banco de dados centralizado, estudo preliminar, projeto executivo, engenharia, revestimentos, processo de construção...tudo!
    Mas é a necessidade que faz o homem...e o nome dela é MERCADO!! Na hora que ele exigir mais do arquiteto, ou seja, menos erros no projeto, planejamento mais eficiente, as universidades vão despertar e preparar os arquitetos para isso. Enquanto alguns se contentar em entregar projeto quase a nível de estudo premilinar, e o construtor não se preocupar com isso, esqueça isso de BIM, continuem com seu velho e arcaico Autocad. Mas acredite, ele já cumpriu seu papel na história da arquitetura mundial.

    antonio jr farias
    arquiteto
    farias.antonio@gmail.com

    ResponderExcluir
  2. Olá Antonio,

    Muito interessante a sua experiência, obrigado por compartilhar conosco! É muito ver que existem outras alternativas e que tem gente dedicada e fazer a diferença.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  3. Alô a todos,

    Gostaria de falar da experiência no Curso de Arquitetura da PUCMINAS. Implantamos o BIM no 2º semestre de 2011. O software escolhido foi o Revit. Já tínhamos as licenças do AutoCAD e do 3DS. Resolvemos ampliar o pacote.

    O processo tem sido muito bom. O curso de desenho arquitetônico é mais dinâmico que o tradicional, com apoio do AutoCAD. Outro aspecto interessante é que, como o processo de trabalho é na verdade a montagem de um modelo 3D a partir das "famílias" paredes, portas ,janelas, etc, fazemos mais referências á obra, aos elementos da construção. O desenho deixou de ser o objeto final, agora ele é mais meio (como deveria ser sempre).O processo de aprendizagem é mais rápido.

    Ao longo do curso os alunos desenvolvem um projeto com uso do Revit, cada aluno desenvolve o seu. Tem sido uma boa ferramenta de aprendizagem.

    Abraços a todos,
    Álvaro Paiva

    ResponderExcluir